UFPB criará primeiro diploma digital do país em parceria com universidades de Santa Catarina e Brasília

A universidade Federal da Paraíba (UFPB) criará diploma digital do país em colaboração com a Universidade Federal de Santa Cataria (UFSC) e com a Universidade de Brasília (UNB), que também já têm propostas para implantar sistema de registro e expedição de diplomas digitais.

As três instituições trabalharão em conjunto para desenvolver uma solução que atenda às demandas de todas as Instituições de Ensino Superior (IES) brasileiras, com aprovação do Ministério da Educação (MEC).

Esse foi o principal encaminhamento da reunião (foto) do Colégio de Pró-Reitores de Graduação (Congrad) da Associação Nacional de Dirigentes de Instituições de Ensino Superior (Andifes) nesta segunda (25) e terça (26), em Brasília.

“A nossa apresentação foi bastante positiva. O diploma digital que criamos foi muito elogiado. A UFSC e UNB têm iniciativas similares. Trabalharemos em colaboração. Outras instituições interessadas poderão participar”, conta o pesquisador Guido Lemos, que coordenou o desenvolvimento da solução tecnológica na UFPB.

Para que o diploma digital brasileiro seja finalizado, será necessário financiamento. Segundo Lemos, portaria que o regulamenta deve ser publicada em breve e estabelecerá o prazo de dois anos para que todas IES passem a emitir obrigatoriamente diplomas digitais.

“Tentaremos levantar recursos com a UFPB, com o MEC e com outros órgãos de fomento. As universidades terão autonomia para empreender transição ou decidir por uma posição mais radical e passar a emitir apenas diploma digital. Mas a realidade é que não há mais segurança na emissão de diplomas em papel”, alerta Lemos.

De acordo com o professor, somente uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa de Pernambuco (AL-PE) identificou cerca de 20 mil documentos falsos. “O crime de falsificação de diplomas se banalizou. Para verificar a validade de uma certificação em papel leva-se, em geral, seis meses. O digital, apenas 5 segundos”.

O encontro, além de contar com a exposição do modelo desenvolvido pela UFPB, apresentado pelo professor Guido Lemos, teve ainda a exibição do produzido pela UNB, exposto pelo pró-reitor Sergio Antonio Andrade Freitas.

Gestão de dados

Na programação da reunião, além da discussão das Portarias Nº 1.095/18, que trata da expedição e registro de diplomas de cursos superiores de graduação, e da Nº 330/2018, que disciplina a emissão de diplomas em formato digital, foi debatida também a gestão de dados de desempenho acadêmico.

A pró-reitora de graduação da UFPB Ariane Sá apresentou a metodologia que desenvolveu, no âmbito da pasta, para elaborar o relatório de dados. “Construímos esse modelo com os departamentos da UFPB. Ficou definido que será socializado com as Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) para que adaptem às suas realidades e façam uso, se assim desejarem”.

O professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) Cláudio de Albuquerque Marques também exibiu as metodologias de coleta e disponibilização de relatórios que criou.

Na ocasião, foram tratadas ainda a criação de uma sistemática de levantamento de dados acadêmicos dos cursos de educação a distância, sistema de seleção unificada para transferência e retorno em cursos de graduação de instituições públicas e gratuitas e portaria sobre procedimentos em dia de guarda religiosa.

Fonte: ClickPB

Deixe uma resposta